Guia Prático

Reportagens

Envie para um amigo Imprimir
Linguagem Corporal

Vamos pular!


Resgate uma brincadeira tradicional e aprimore a coordenação motora, o equilíbrio e o contato social das crianças


Por Camila Miranda

Objetivos:

Desenvolver a coordenação motora
Aperfeiçoar o senso de equilíbrio

Incentivar atividades em grupo
Melhorar a concentração e atenção


Ilustrações: Shutterstock


Quem passou pela infância sem brincar de pular corda deixou de experimentar uma brincadeira muito divertida. Já quem brincou, não esquece mais. Segundo Maria das Graças Brandão Soares, historiadora e autora do livro Brincadeiras do Tempo da Vovozinha, a origem da brincadeira é bem remota, sabe-se apenas que é praticada em todos os cantos do mundo.

A neuroeducadora e coautora do livro Virando o Jogo da Educação, Cândida Maria de Cavalcanti Soares, afirma que pular corda é uma atividade muito importante para o desenvolvimento motor da criança, pois “exige muita coordenação, força nas pernas e coragem, quando se quer entrar para pular com a corda já girando”. Ela ainda acrescenta que a brincadeira incentiva o canto e favorece a desinibição, ajuda na alfabetização, no entendimento das rimas, enriquece o vocabulário e, sobretudo, estimula o trabalho da memória e do foco de atenção.

Ana Mota, coordenadora de Educação Física do Colégio Magister, de São Paulo (SP), acrescenta que a brincadeira contribui para a assimilação de ritmo e orientação temporal e espacial, além do equilíbrio. Confira algumas brincadeiras propostas por Ana Mota que você pode fazer com as crianças para que elas se familiarizem com o brinquedo antes de iniciar a atividade de pular cantando.

Dica de leitura!

• Brincadeiras do Tempo da Vovozinha

Natal (RN) resgata uma séria de cantigas, histórias da literatura infantil e brincadeiras das gerações anteriores. Autora: Maria das Graças Brandão Soares Preço: R$ 45,00 Onde encontrar: diretamente com a autora, pelo telefone (84) 9933-9757 ou por email: gracinhasoaresbr@gmail.com ou stephanie_ bsoares@yahoo.com.br

• Brincadeiras de Todos os Tempos Coleção: Coisas de Criança

O vovô navegando na internet e a vovó jogando no computador? Soldadinho de chumbo, pião, bilboquê, já ouviu falar? Neste livro, unem-se brincadeiras antigas e modernas num harmônico convívio. Autora e ilustradora: Anna Claudia Ramos Editora: Larousse Preço: 26,90 Onde encontrar: http:// www.larousse.com.br/



1. Pular cobrinha: segure a corda pela ponta e faça ondulações horizontalmente no chão, começando com ondas pequenas e aumentando o tamanho gradativamente, sempre desafiando as crianças a saltar sem deixar que a corda as toque.

2. Aumenta, aumenta: segure com um aluno as extremidades da corda e desafie as crianças a pular. A corda inicialmente estará tocando o chão, mas deverá ser erguida toda vez que o grupo todo conseguir saltá-la.

3. Reloginho: forme uma roda com as crianças e fique no centro segurando a corda pelas duas pontas. Vá girando e arrastando uma das pontas pelo chão como se fosse o ponteiro de um relógio. As crianças devem saltar o ponteiro sem deixar que ele toque seus pés.

4. Zerinho: gire a corda com mais um aluno enquanto as outras crianças devem tentar atravessar para o outro lado passando por baixo da corda correndo, sem saltá-la.

Confira também as sugestões da historiadora Maria das Graças Brandão Soares para cantar com as crianças enquanto brincam:

1. Um homem bateu em minha porta: Um homem bateu em minha porta e eu abri. Senhoras e senhores, ponham a mão no chão (a criança que está pulando deve tentar encostar a mão no chão enquanto pula). Senhoras e senhores, pulem de um pé só (a criança que estiver pulando deve tentar pular com apenas um pé). Senhoras e senhores, deem uma rodadinha (a criança roda, ficando do lado oposto). E vão pro meio da rua. (a criança sai para outra entrar na brincadeira e começar tudo de novo).

2. Roda, Valete e Rei: duas crianças seguram a corda e cantam: um, dois, três. Enquanto isso, quem está no meio pula, intercalando os números. Todos continuam cantando: roda, valete, rei, e quem está pulando tem que tomar cuidado para não se enroscar. Prosseguem cantando: quatro, cinco, seis e depois o verso roda, valete, rei novamente. Seguem contando os números sempre de três em três intercalando com o verso, até alguém errar.

3. Foguinho: duas crianças devem segurar a corda enquanto uma pula. A brincadeira consiste em acelerar a velocidade quando falam a palavra "foguinho". Duas pessoas giram a corda enquanto as crianças cantam: Salada, saladinha Bem temperadinha Com sal, pimenta, fogo e foguinho!

4. Seu namorado: as crianças entram com a corda em movimento sem tocála e vão cantando as perguntas: Qual a cor do seu namorado (a)? Negro, branco, louro ou moreno? Qual a cor dos olhos dele (a)? Verde, azul, castanho ou preto? Quantos anos ele (a) tem? É dado o início da contagem: um, dois, três etc. até o jogador errar, isto é, tocar a corda em movimento.

5. O padeiro: duas crianças seguram uma corda, cada uma de um lado, enquanto outra pula no meio (se a corda for grande mais crianças podem pular) e começam todos a cantar: Quem é? / É o padeiro. O que quer? / Dinheiro. Pode entrar que eu vou buscar o seu dinheiro, lá debaixo do travesseiro na cama de solteiro. As crianças que estão segurando a corda devem começar a bater mais forte, enquanto contam o número de vezes que giram a corda até alguém errar ou tocar a corda em movimento.

Dica esperta!

A neuroeducadora Cândida Maria de Cavalcanti sugere que todos passem pela função de girar a corda, quando utilizada em atividades em grupo, o que exige das crianças uma maior concentração, coordenação e solicita mais entrosamento e cooperação entre os colegas.

 

 

News do Professor

Receba sempre em primeira mão nossas novidades e conteúdo exclusivo.