Guia Prático

Reportagens

Envie para um amigo Imprimir
Família e escola

Ponto de partida


A reunião escolar é importante para acompanhar o desenvolvimento das crianças e compartilhar com os pais as propostas da escola para a formação dos pequenos. Saiba como tornar esse evento ainda mais interessante


Por Sâmia Gabriela Teixeira

Objetivos:
Organizar e apresentar o plano didático
Estreitar relações com os pais
Aprimorar o conteúdo das reuniões


 

O ano sempre começa com uma porção de objetivos e expectativas e o calendário escolar já inicia com a primeira reunião de pais. Esse é o momento de encontro do docente com o novo grupo de pais ou ainda com os que regressam de anos anteriores. A primeira reunião não deve ser tratada como uma simples tarefa a ser cumprida, pois é a importante, e talvez a única oportunidade de obter sucesso e criar vínculo entre família e escola. A pedagoga e psicopedagoga Renata Calasans, da Escola Municipal Henrique Freitas Badaró, de Ipatinga (MG), explica que “o ingresso ou regresso ao ambiente escolar gera sensações como ansiedade, temor, angústia, entre outros, e que por isso é importante que o professor elabore pautas claras e fundamente a necessidade da integração entre família e escola, para melhor adaptação das crianças”.

 


Troca de experiências

A Pritt, marca de colas da empresa Henkel, promove por meio de site e blog a aproximação de pais, professores e alunos com conteúdo recheado de artigos, atividades e experiências compartilhadas para o desenvolvimento mais feliz das crianças e os envolvidos na educação. Acesse: www.pritt.com.br

Mitos e “saias-justas”
Pensar que os pais não aceitarão as informações dadas pelo professor é um erro a ser evitado. Luciana Fevorini, orientadora pedagógica do Colégio Equipe, de São Paulo (SP), salienta que normalmente os pais são muito receptivos às informações sobre os filhos, mas recomenda que qualquer tema individual seja tratado em horários específicos ou após a reunião. “Quando precisamos conversar com os pais de uma criança, devemos investigar se o que ocorre em sala de aula acontece em outros ambientes e partilhar com eles a mesma preocupação, sem julgar o aluno, que certamente está em fase de desenvolvimento até mesmo de personalidade”, explica a orientadora.


Além dos cuidados com o tratamento individual, que não deve isolar o aluno como um problema ou criar estereótipos, saber lidar com as interferências no decorrer do encontro é muito importante. “É comum ocorrer desvios durante a reunião quando os pais desejam tratar de assuntos que não fazem parte das questões pedagógicas. Além disso, os pais podem querer discutir assuntos administrativos que dizem respeito à direção da escola. Nesse caso, seja pontual e objetivo, e procure explicar o que faz parte do plano do encontro, mantendo-se à disposição para assuntos particulares ao fim da reunião”, exemplifica Renata.

 

Na reunião de pais, evite:

- Roupas curtas ou decotadas. Se a escola possuir uniforme, utilize-o.
- O uso de muita maquiagem e acessórios.
- Sentar em cima da mesa.
- Utilizar gírias e fazer brincadeiras.
- Desviar o assunto.
- Utilizar palavras negativas, de tratamento íntimo e expressões repetitivas.
- Expor o aluno. Para casos individuais existe o plantão pedagógico.
- Falar rápido.


Envolvimento máximo

A escola não deve atribuir baixo desempenho do aluno aos pais e nem os pais devem culpar a escola por qualquer problema de seu filho. Por isso, a interação e as observações de ambos são tão importantes para o aluno, que certamente terá mais confiança para progredir nos estudos ao ser observado em conjunto pela escola e pelos pais. Luciana Fevorini é autora da tese “O envolvimento dos pais na educação escolar dos filhos: um estudo explanatório”, na qual aborda, por meio de pesquisas e entrevistas, o quanto os pais se preocupam com os estudos dos filhos e como interagem com eles e o corpo docente da escola. A pedagoga afirma que para maior envolvimento dos responsáveis pelas crianças “é necessário promover atividades que não tenham como objetivo somente falar dos filhos, mas inclua cursos, jogos e encontros mais informais. Isso aproxima os pais de maneira mais sutil e quebra preconceitos, uma vez que parte deles não teve boa experiência escolar na infância”.


Planejamento e conteúdo
A reunião escolar deve ser muito bem planejada, com temas provocativos e interessantes, e o tempo de duração, calculado de modo que o encontro não se torne um evento cansativo. Luciana Fevorini conta como planejar e o que abordar durante as conversas: “As reuniões devem ter caráter coletivo. Conte aos pais sobre os trabalhos que serão desenvolvidos durante o período letivo e não descreva nada utilizando discursos teóricos. Traga o universo pedagógico ao cotidiano deles. Lembre-se de que as diretrizes devem ser facilmente compreendidas”.

 

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>

News do Professor

Receba sempre em primeira mão nossas novidades e conteúdo exclusivo.