Guia Prático

Reportagens

Envie para um amigo Imprimir
Alfabetização

Rotina organizada


Planejamento de atividades permanentes, sequenciais ou independentes, aliadas a projetos didáticos, ajudam o professor na tarefa de alfabetização


Por Priscila de Giovani


Selecionar os conteúdos
a serem trabalhados durante o ano e planejar atividades desafiadoras para que os alunos avancem na escrita são importantes decisões pedagógicas realizadas pelo professor. Mas como organizar a rotina diária, com tanta demanda de conteúdos a serem trabalhados? As modalidades organizativas podem ajudar, pois elas preveem a aprendizagem dos alunos a partir de atividades permanentes, projetos didáticos, atividades sequenciadas e atividades independentes. Confira a seguir alguns exemplos práticos da utilização dessas modalidades para uma turma de alfabetização.

 

 


Atividades permanentes: são atividades essenciais para a aprendizagem dos alunos, que devem seguir uma periodicidade definida: segunda e quinta, por exemplo. Podem ser atividades de leitura em voz alta realizada pelo professor, atividades para refletir sobre o sistema alfabético de leitura (listas, parlendas, cruzadinhas) e de escrita (escrita de listas no caderno ou com letras móveis, escrita dos nomes dos amigos), produção de texto oral e escrito, em que os alunos ditam para o professor um texto e ele escreve na lousa (bilhetes, cartas, reescrita de textos), entre outras atividades.

Sequência de atividades: são sequências didáticas em que, a cada etapa, há uma complexidade de desafios. A duração varia de acordo com os conteúdos e as atividades podem ser praticadas uma, duas ou três vezes por semana. Por exemplo: produção de textos informativos, em que se leem vários textos e se analisam suas características para chegar à produção de outro texto; leitura e escrita de parlendas realizando atividades de ordenação dos versos, ajuste do falado ao escrito, localização de palavras no texto; leituras para estudar características de animais, diferentes culturas etc.

Projetos didáticos: podem ter longa ou curta duração, acontecendo uma, duas ou três vezes por semana. É uma boa alternativa para aprofundar os conhecimentos sobre o conteúdo estudado. As etapas de um projeto culminam na elaboração de um produto final, que dão visibilidade ao trabalho realizado e permite a colaboração dos pais no processo de ensino e aprendizagem. Alguns exemplos: montar um jornal da sala, um livro de brincadeiras ou com contos, produzir uma agenda telefônica do grupo, apresentar uma peça de teatro, entre outros.

Atividades independentes: subdividem-se em dois tipos: as de sistematização e as ocasionais. As de sistematização são aquelas que se destinam a sistematizar os conteúdos aprendidos no decorrer da rotina. Por exemplo: após uma atividade sequenciada sobre textos informativos, discuta suas características; ou levante o que os alunos aprenderam após um projeto. As atividades ocasionais são as que a professora considera importante incluir no currículo, mesmo quando não estão previstos na rotina, como ler uma notícia de jornal que um aluno trouxe para ser compartilhado ou fazer a leitura de algum poema que seja significativo ao que os alunos estão vivenciando.

 

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>

News do Professor

Receba sempre em primeira mão nossas novidades e conteúdo exclusivo.